25/10/11

INFORMAÇÕES E CURIOSIDADES SOBRE O FOLCLORE BRASILEIRO



A palavra folclore surgiu de dois vocábulos de origem anglo-saxônica: “folk” (que quer dizer “povo”) e “lore” (“conhecimento”). Folclore (folklore) significa, então, “conhecimento do povo” ou “conhecimento popular”.

Aliás, a palavra folclore (“folklore”) foi criada pelo pesquisador da cultura europeia William John Thoms (1803-1855) em 22 de agosto de 1846, quando publicou um artigo na revista The Atheneum intitulado justamente “Folklore”.

Afinal, o que é folclore? É difícil definir o seu significado, mas muitos estudiosos da cultura popular são unânimes na idéia de que o folclore engloba as maneiras de pensar, sentir e agir do povo. Ele é transmitido de geração para geração e envolve lendas, mitos, canções, superstições, artesanato, festas, danças, alimentação…

Segundo a UNESCO, para se determinar se um fato é folclórico, ele deve apresentar características como tradicionalidade (deve ser transmitido através da gerações), dinamicidade (deve ser mutável), funcionalidade (deve ser inserido num contexto vivo e dinâmico) e aceitação coletiva (aceito por todos os membros de uma coletividade).

As lendas mais conhecidas do folclore brasileiro são as do saci-pererê, lobisomem, mula-sem-cabeça, boitatá, curupira, mãe d’água, cuca, negrinho do pastoreio e boto.

O saci-pererê é um menino com uma perna só, que fuma cachimbo e usa gorro vermelho. Se manifesta com um redemoinho. É um ser maligno ou brincalhão, dependendo da região. Adora assustar as pessoas com gargalhadas, espantar os cavalhos, azedar o leite e queimar a comida.

O lobisomem é das figuras folclóricas mais universais – presentes em diversas culturas. Trata-se de um homem que se transforma em lobo nas noites de lua cheia. Ele ataca as pessoas e só pode ser morto com uma bala de prata.

Segundo a lenda, a mula-sem-cabeça é uma mulher que, após um romance com um padre se transforma numa mula que solta fogo pelas narinas nas noites de quinta para sexta-feira.


Clique aqui para continuar a leitura do texto.

Um comentário:

Carolina barreto disse...

muito bom esse site adorei:)