08/06/11

CURIOSIDADES SOBRE O HOMEM DE NEANDERTAL


O primeiro fóssil do homem de neandertal foi descoberto no vale do rio Neander, na Alemanha, em 1856.

Suspeita-se que os neandertais tenham vido entre 130.000 e 29.000 mil anos atrás.

Os cientistas estão convictos de que o homem moderno, o erectus e o neandertal tenham convivido durante 60.000 anos. Aliás, a idéia de que houve cruzamentos entre neandertais e sapiens é cada vez mais aceita no meio científico.

O neandertal possuia ossatura forte, era atarracado e raramente passava de 1,65 metros de altura. Os braços eram longos. Suportava muitíssimo bem o frio. Detalhe: ele tinha o cérebro mais volumoso do que o do Homo sapiens.

Existe a falsa premissa de que o neandertal tenha sido o primeiro hominídeo a dominar o fogo. A verdade, porém, é outra: o primeiro a fazer e manipular o fogo foi o Homo erectus – uma espécie mais antiga do que o neandertal. Aliás…

Você sabia que o homem moderno é descedente direto do Homo erectus? Sabia que neandertais e sapiens formavam duas linhagens diferentes de seres humanos?

Foram encontrados no Oriente Médio sítios arqueológicos de neandertais e sapiens há pouco mais de um quilômetro um do outro.

Os neandertais eram tão resistentes e possuiam uma ossatura tão forte que, afirmam os cientistas, chegavam a ficar cara a cara com suas presas. As provas são as inúmeras fraturas encontradas em esqueletos dos nossos primos hominídeos.

Alguns estudiosos suspeitam que a gestação do homem de neandertal tenha sido mais longa do que a dos sapiens – 12 meses ao invés de 9.

A dieta neandertal era 85% composta de carne.

Suspeita-se que as últimas tribos neandertais tenham vivido nos atuais territórios da Croácia e de Portugal.

Enfim, quais os motivos da extinção do neandertal? Há controvérsias, mas boa parte dos especialistas acreditam que ele tenha se extinguido por que conviviam em pequenos grupos (os casamentos consaguíneos eram comuns), não fabricavam instrumentos tão desenvolvidos e perderam para o Homo sapiens a competição pelos recursos naturais.

Nenhum comentário: