10/01/11

OS FAMOSOS E AS DROGAS


Em 1959, Judy Garland, uma das mais célebres cantoras e atrizes de Hollywood, quase morreu de uma doença hepática causada pelo uso excessivo de remédios e álcool. Sua morte só ocorreria dez anos depois, de uma overdose de barbitúricos. Não foram poucas as personalidades que tiveram problemas com as drogas. A seguir, uma relação de gênios e mitos que usaram drogas, desde remédios para dormir até drogas mais pesadas como a cocaína.

Marilyn Monroe, outro grande mito do cinema, morreu por causa de uma overdose de calmantes e barbitúricos.

O cantor e eterno “ Rei do Rock” Elvis Presley abominava cocaina, maconha e heroína, mas em compensação, vivia abusando de drogas medicamentosas. Elvis costumava consumir moderadores de apetite e remédios para perda de peso em conquetéis diários. Um certo dia, foi encontrado desmaiado no banheiro de casa e mais tarde declarado morto. A autópsia revelou que o ataque cardíaco que o vitimara provavelmente fora ocasionado pela ingestão de oito ou mais drogas.

O também norte-americano Tennessee Williams , além de usar tranquilizantes em demasia, consumia álcool sempre além da conta.

Por causa do alcoolismo, o escritor brasileiro Lima Barreto, autor de clássicos como Triste Fim de Policarpo Quaresma e Recordações do Escrivão Isaías Caminha, esteve internado duas vezes em manicômio.

Em virtude de problemas com álcool, Jack Kerouac sofreu uma hemorragia de varizes no esôfago, o que o levou a fazer 26 transfusões de sangue. Foi o alcoolismo que acabou levando Kerouac à morte.

Também foi o excesso de álcool que tirou a vida do cantor brasileiro Raul Seixas. O consumo abusivo da bebida fez com que Raul se internasse para tratar da depência. Os resultados, no entanto, não foram duradouros. Raul sempre voltava a beber. Sua morte ocorreu em agosto de 1989, vítima de pancreatite aguda.

A morte da cantora Elis Regina foi ocasionada pela perigosa mistura de bebida alcoólica com cocaína.

Outro que se afundou no álcool foi Edgar Allan Poe. O escritor norte-americano entregou-se de vez à bebida na ocasião da doença e morte da esposa. Embora conseguisse se manter em pé, ele foi encontrado várias vezes embriagado. Numa dessas ocasiões, Poe passa terrivelmente mal, é socorrido, mas falece dias depois no hospital.

Uma das personalidades que abusou do álcool foi Gioacchino Rossini. Dizem que foi embriagado que o compositor italiano compôs a maior parte de sua obra.

Autor do clássico teatral Esperando Godot, o irlandês Samuel Beckett também vivia alcoolizado.

Outro que bebia compulsivamente era o escritor norte-americano Dashiell Hammett.

O escritor Truman Capote, de À Sangue Frio, também era um grande consumidor de bebida alcoólica.

Frequentador assíduo de pubs, o pintor Francis Bacon (que era compatriota de Beckett) costumava ser visto embriagado. Além de alcoólatra, Bacon, famoso por suas pinturas de corpos e rostos deformados, era viciado em jogos.

Vincent Van Gogh, um dos maiores pintores nascidos na Holanda, era viciado em absinto, uma bebida com alto teor alcoólico que, além de dependência, causa sérios danos ao organismo.

Artista que viveu praticamente na mesma época que Van Gogh, o francês Toulouse-Lautrec também era chegado no absinto. O abuso do álcool ajudou a abreviar a vida do pintor que melhor soube retratar em sua obra a noite parisienses e seus cabarés.

Os poetas Paul Verlaine e Arthur Rimbaud não se limitaram ao absinto. Além da bebida, ambos consumiram diversos tipos de drogas, entre elas o ópio e a maconha.

Jack Pollock se encontrava embriagado no momento em que sofreu o acidente de automóvel que acabou por lhe tirar a vida. Não era à tôa que ele estava bêbado. O pintor, um dos maiores mitos da arte norte-americana da primeira metade do século XX, conviveu durante boa parte de sua vida adulta com o vício do álccol.

Jean-Michel Basquiat, famoso por sua obra e pela parceria com Andy Warhol, morreu de overdose de heroína. Certa vez, o pintor nascido nos Estados Unidos foi trancado num atêlie até pintar um número suficiente de quadros para uma exposição. Recluso, Basquiat era abastecido de maconha, cocaina e heroína por uma portinhola.

Billie Holiday certa vez foi presa sob a acusação de “receber, facilitar o transporte e ocultar drogas”. Viciada, a cantora, que se consagrou como mito da música negra norte-americana, faleceu em virtude de uma overdose de heroína.

A cantora Janis Joplin, um mito da contracultura e dos anos 1960, detestava certos tipos de drogas como LSD e maconha, mas acabou morrendo de overdose de heroína.

Quinze dias antes de Janis Joplin, falecia o guitarrista Jimi Hendrix. O lendário Hendrix morreu sufocado pelo próprio vômito a caminho do hospital, depois de uma overdose de barbitúricos.

Jim Morrison, vocalista do grupo The Doors, foi encontrado morto na banheira do apartamento onde vivia. Exames revelaram que ele falecera em virtude de um ataque cardíaco. Sempre se desconfiou de que Morrison morrera de overdose. A suspeita é de que ele tenha cheirado heroína aos invés de cocaína.

Viciado em heroína, Kurt Cobain, vocalista e líder do mitológico grupo de rock Nirvana, costumava se apresentar drogado.

William S. Burroughs, além de dependente de heroína, foi consumidor de LSD e cocaina. O autor de livros como Almoço Nú e Junky chegou a ser preso por porte de drogas.

Figura folclórica dos inesquecíveis anos 1950 e psicodélicos anos 60, Allen Ginsberg particiou de quase todos eventos importantes da época. Mais do que isso, ele experimentou de quase tudo em matéria de drogas, principalmente maconha e LSD. Ginsberg não só experimentou como ajudou a transformar o LSD na droga da moda entre os hippies e a juventude de Woodstock, do Stonewall e dos protestos contra a Guerra do Vietnã.

Jean Cocteau – poeta, escritor, crítico de arte, desenhista, escultor e (ufa) cineasta francês – manteve o vício do ópio durante um longo tempo. O vício era tamanho que, num determinado momento, sentindo-se deprimido, Cocteau chegou a fumar 60 cachimbos da droga por dia, o que o obrigou a passar por um doloroso período de desintoxicação.

O poeta e pintor britânico Dante Gabriel Rossetti era viciado em ácido clorídrico, substância usada como remédio para dormir. Dante chegou a ter um colapso por causa da substância, mas nem assim abandonou o vício.

Já a cantora Edith Piaf, ícone da canção francesa do século XX, manteve durante longo tempo o vício da morfina.

Aldous Huxley, autor do clássico Admirável Mundo Novo, narrou suas experiências com alucinógenos num livro chamado As Portas da Percepção.

Também foram as drogas (em especial o ópio e haxixe) que inspiraram o poeta Charles Baudelaire a escrever Os Paraísos Artificiais, uma reflexão sobre o uso de substâncias alucinógenas.

Baudelaire e Huxley não foram os únicos nem os últimos a passar as experiências com drogas para o papel. O escritor Paulo Mendes Campos certa vez escreveu um relato sobre experiências com alucinógenos que foi extremamente elogiado pela crítica. Para escrever sobre o assunto, o escritor brasileiro experimentou LSD sob a supervisão médica de um amigo. Seus pontos de vista e observações estão no ensaio Experiências com LSD, publicado pela primeira vez no começo dos anos 1960.

Bob Marley, cantor jamaicano – e um do grandes mitos da música internacional do século XX -, era consumidor assíduo de maconha.

(Texto extraído do livro Coisas de Gênio - Fatos, mitos e curiosidades sobre os maiores gênios da cultura universal. Para conhecer o livro, clique aqui.)

Nenhum comentário: